Liga Mur

… uma cambada de tolos …

«Zappancadas» do blog Bitaites

Deixo aqui este excelente texto do Marco, extraído do blog “Bitaites”,  não só pela sua qualidade mas também pelas valentes gargalhadas a que me obrigou. E nos tempos que correm tenho gargalhado muito pouco.

«Eu gosto de partilhar as minhas descobertas. Sou generoso. Se acabo de conhecer um disco fabuloso do Zappa às duas da manhã, o meu entusiasmo leva-me a querer que a vida do meu vizinho seja também tocada pelos sublimes sons do mestre.

Sobretudo os que envolvem experimentalismos sonoros que lembram uma mistura de Varèse, Ligeti, Jimi Hendrix e pitas histéricas.

Às duas da manhã a sensibilidade artística do meu vizinho costuma estar apurada. Acho que ele apreciava o facto de ser acordado por Zappa a altos berros.

Aquilo não acontecia de propósito. Há pessoas sem noção da força que têm – a minha aparelhagem era assim. Aumentava-lhe só um bocadinho o volume e as minhas colunas Mission bicabladas de 150 watts por canal rebentavam em cheio na almofada do tipo e as penas de ganso voavam pelo ar de tal forma que o gajo devia pensar que estava a ver a própria mioleira.

Às vezes alinhava na orquestra. Pegava na vassoura e punha-se a agitá-la como um baterista de Trash Metal. Eu ouvia os batuques no tecto e achava que o gajo até tinha bom ouvido, pois entrava bem no ritmo. Até punha a música mais alta, não fosse ele perder o balanço por não conseguir ouvir os pianíssimos.

Só não gostava quando lhe apetecia cantar. Na percussão safava-se com mérito, mas como vocalista era uma desgraça. Às vezes acontecia, pronto. Acordava com o som de Zappa e punha-se a cantar Baixa essa merda cabrão do caralho.

O homem que me perdoe que eu não gosto de ferir a sensibilidade artística de ninguém – mas quando abria as goelas eu era obrigado a aumentar um bocadinho mais o volume só para não me estragar a música.

Eu já sabia que, mais tarde ou mais cedo, o tipo haveria de descer as escadas e bater-me à porta. O Zappa tem esse efeito nas pessoas.

O meu vizinho vestia o pijama e abria a porta de casa devagarinho – o elemento surpresa é sempre importante nestes casos. Chinelava pelas escadas abaixo com tanto cuidado que parecia um atleta a transportar uma tocha olímpica.

Bem, no caso dele era um bastão de basebol – o que não deixa de ser um objecto relacionado com o desporto. Batia-me à porta com estrondo – o elemento melodramático da surpresa, lá está – e gritava Ó meu cabrão tu estás-me a provocar não estás.

É verdade. A arte provoca. A arte desatrofia. É uma espécie de viagem. Confronta-te contigo próprio. Faz-te pensar na esterilidade da tua vida e obriga-te a questionar a tua posição na sociedade. Acima de tudo, acorda-te.

O meu vizinho aprendeu muito nestes anos de perplexa convivência. Evoluiu. Digamos que foi contagiado. Não só falou a toda a gente do prédio sobre o génio musical do Zappa como, na noite seguinte, não se conteve e chamou a polícia.

Eu por acaso estava a ouvir um disco ao vivo – e veio mesmo a calhar, pois os concertos precisam sempre de policiamento. Sabe-se lá a loucura que um fã pode fazer quando espuma pela boca.»

Marco – blog “Bitaites”

Anúncios

Fevereiro 26, 2011 - Posted by | Traumático FC | , , ,

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: